Game of Thrones S07e05 | Memórias, tramóias e provas

Aviso: Contém spoilers dos episódios já exibidos de Game of Thrones.

O primeiro dos três últimos episódios desta curta temporada veio com a missão de preparar o terreno para o que deve ser o conflito final desta temporada, no entanto, Eastwatch também aproveitou para plantar sementes de questões que aparentemente ficarão para um momento ainda posterior na série.

Mostrando as consequências do que está sendo chamado de “Segundo Campo de Fogo”, vemos Daenerys dando a oportunidade que os sobreviventes possam se ajoelhar perante a nova rainha, jurando lealdade e assim assegurando as suas vidas. Oportunidade que Randyll Tarly se recusar a aceitar, assim como o seu filho. Por conta disso, e apesar dos conselhos de Tyrion, Daenerys queima o Lorde da Campina e seu Herdeiro usando Drogon, o que serve de exemplo para que o restante dos soldados se ajoelhem.

Obviamente, a atitude de Daenerys se tornou uma preocupação para Tyrion e Varys, que, apesar de seguirem a rainha, nutrem uma certa desconfiança por conta da loucura de alguns de seus ancestrais.

Com a chegada de Daenerys, pudemos ver o primeiro encontro real entre Jon e Drogon, o maior dos dragões, que claramente parece ter notado o “sangue de dragão” que corre nas veias de Jon (voltaremos a isso depois). Ao mesmo tempo que parecia assustado, Jon sentiu-se atraído, quase hipnotizado, pela criatura. A Rainha parece ter notado essa conexão, o que aumentou o fascínio pelo Rei do Norte, que tem conquistado a afeição da rainha ao longo dos episódios, em um claro clima romântico que tem surgido entre os dois.

Já em Winterfell, enquanto Bran vigia os Caminhantes Brancos para alertar aos senhores de Westeros, parece que Mindinho começa a tramar em nome de Sansa para enfraquecer o Rei do Norte, o que chama a atenção de Arya, assim como o pequeno interesse de Sansa em defender o irmão (agora primo) quando afrontado. Seguindo todos os passos de Lorde Baelish, Arya o vê recebendo uma carta que Meistre Wolkan encontrara nos registros a mando deste, fazendo questão que a jovem Stark ouvisse que a real mandante fosse Sansa.

A carta fora enviada por Sansa na primeira temporada, logo após a morte de Robert Baratheon e a traição de Mindinho que levou à prisão de Ned Stark. Na carta Sansa diz estar sendo bem tratada pelos Stark e pede que Robb jure lealdade ao Rei Joffrey para evitar conflitos entre as casas Stark e Lannister. O único objetivo da carta é colocar Arya ainda mais contra Sansa, mostrando que Baelish continua sendo o mestre da manipulação se mantendo sempre um passo à frente e um mestre na criação do caos, a sua “escada”.

Com o alerta de Bran enviado para os senhores de Westeros e à Cidadela, os arquimeistres discutem o que fazer com a informação de maneira descontraída e jocosa, já que acham pouco provável que seja verdade. Felizmente, Sam estava no local para reafirmar a veracidade dos relatos do novo Corvo de Três Olhos. Muito descontente com sua estadia na Cidadela, uma vez que ninguém parece dar crédito aos seus pleitos enquanto confiam a ele somente tarefas “indignas”, Sam acaba por ignorar uma das revelações mais importantes feitas na série até aqui.

Ao ler os registros do Alto Septão Maynard, Goiva menciona que Rhaegar Targaryen anulara o seu casamento com Elia Martell e se casara com alguém, muito provavelmente Lyanna Stark, em uma cerimônia secreta realizada em Dorne. A informação pode parecer pouco para Sam, que não tem como associar o falecido Rhaegar Targaryen a seu amigo Jon Snow, no entanto, este pedaço de informação muda toda a ideia que se tinha da linhagem de Jon Snow, que agora além de descendente Targaryen é um filho legítimo e portanto o sucessor por direito ao trono de ferro.

Assim, Sam, cansado de ler sobre atos passados sem anda poder fazer, leva o que acreditar ter valor em sua busca por conhecimentos relacionados à Longa Noite e deixa a Cidadela rumando de volta para o Norte.

Descobrir que Arya e Bran estão de volta a Winterfell veio com um sabor agridoce para Jon, que descobriu também sobre o avanço dos caminhantes que seguem para Atalaialeste do Mar. Por conta disso, Jon acredita que deve partir e estar presente para o seu povo. O que pareceu estranho, fora a ideia de buscar Cersei para um Armistício após a vitória de Dany sobre os Lannisters. Diante das atitudes da Rainha Lannister, era de se esperar que ela não fosse esperar sentada enquanto Jon e Dany lutam contra uma ameaça maior. Assim como Mindinho, Cersei parece mais o tipo que veria o mundo queimar se pudesse ser a rainha das cinzas.

Um dos pontos mais altos do episódio foi o retorno de Gendry, que fora “resgatado” por Davos de um trabalho enfadonho para a família que assassinou o seu pai. O reencontro, que veio acompanhado da piada que por anos permeou a internet, trouxe um novo ânimo para Gendry, que levou os fãs dos livros ao delírio ao apresentar o seu martelo de batalha, arma usada pelo Rei Robert em suas batalhas.

Foi interessante ver o encontro entre Jon e Gendry que, apesar de nunca terem se visto antes, parecem ter criado uma afeição instantânea por conta da amizade entre os seus pais. Contudo, o fato real é que o pai de Gendry matou o pai verdadeiro de Jon, ainda que nenhum dos dois tenham ideia disso. Apesar dos pesares, Ned sempre será o pai de Jon.

Por fim, Jon mostra sua autoridade ao afirmar para Daenerys que deixaria Pedra do Dragão para ajudar o seu povo e conseguir a prova necessária para convencer Cersei. Nessa despedida fica clara a afeição entre a Rainha dos Dragões e o Rei do Norte, restando poucas dúvidas sobre o romance entre os personagens.

Em mais uma viagem teletransportada (à essa altura ninguém mais se importa), Jon chega em Atalaialeste, região que dá nome ao episódio e mal aparece, acompanhado por Davos e Gendry. Ao se unir a Tormmund e a Irmandade sem Bandeiras, eles partem para o norte da Muralha para conseguir um morto-vivo e provar que a ameaça é real.

Em meio a toda essa guerra, há também a notícia da gravidez de Cersei, que parece ter deixado Jaime contente e ainda mais temeroso em relação a Daenerys. Contudo, ainda resta saber se ainda veremos o fruto dessa gravidez ganhar vida, ou se ela realmente existe.

Com um episódio mais tranquilo em relação aos conflitos, Eastwatch preparou muito bem o cenário para o conflito que deve encerrar a temporada. A revelação da legitimidade de Jon deve ser tratada só em um momento posterior, talvez na oitava temporada, mas já é interessante ter detalhes como este sendo contados aqui, já que pouco tem se visto das visões de Bran nesta temporada. Com cenário montado, só nos resta aguardar pelos próximos episódios que marcarão o final desta temporada e deve ser, no mínimo, espetaculares.

Game of Thrones está sendo exibido aos domingos no canal pago HBO.

Comments

comments