Review | Railway Empire

Railway Empire é um novo jogo de administração de recursos que explora um tema um tanto inusitado: as ferrovias norte-americanas. Ambientado em 1860, o jogo exibe a expansão das ferrovias americanas, apresentando uma localização geográfica precisa.

Apesar do contexto histórico, em algumas missões precisamos reconstruir ferrovias do Sul destruídas na Guerra Civil norte-americana, a precisão histórica é deixada de lado para priorizar a diversão. A cidade de Montana existe no jogo, porém, na época em questão a cidade ainda não existia.

Outro elemento que tira o impacto do jogo é a ausência de acontecimentos que marcaram a expansão do “Cavalo de Ferro” nos Estados Unidos. Não existe nenhuma menção as hordas de búfalos que foram exterminadas para possibilitar a expansão das ferrovias.

Na campanha, cabe aos jogadores construirem a Primeira Ferrovia Intercontinental dos Estados Unidos. Existem sete cenários distribuídos em sete regiões, onde cada um apresenta um nível de dificuldade diferente. Em cada cenário os jogadores devem cumprir tarefas distintas, obtendo um rank no final do jogo.

Railway Empire apresenta outros modos de jogo que tornam a experiência ainda mais divertida. O modo “Sandbox” permite que o jogador construa sem limitações monetárias. Apesar de oferecer possibilidades infinitas, o jogo se torna chato rapidamente. Já no modo “Free”, os jogadores podem escolher um dos sete mapas disponíveis, escolhendo o ano de início, número de competidores e outros detalhes.

Expandindo o Império

Jogos de gerenciamento de recursos geralmente são exclusivos do PC, porém, o estúdio Gaming Mind decidiu arriscar e lançar os jogos no console. Para a felicidade de todos, o estúdio fez um port competente, entregando uma jogabilidade intuitiva e simples, atraindo até mesmo jogadores que não são fãs do gênero.

Além de construir ferrovias, é possível administrar recursos como cerveja e carne, importando/exportando para outras cidades e criando uma fortuna. Esses recursos interagem bem com a progressão do jogador. Algumas cidades só passarão a importar cerveja após atingirem um grau de desenvolvimento para isso.

É possível comprar empresas/negócios em leilões, atividade que era muito comum na época. Os momentos mais tensos do jogo são garantidos através desse recurso. Menosprezar a competição pode ocasionar perdas de oportunidades incríveis. Para garantir ainda mais complexidade ao jogo, é possível comprar ações da empresa adversária numa tentativa de assegurar controle da mesma.

Por fim, outra atividade divertida é a possibilidade de construir universidades, museus e atrações turísticas, visando um maior desenvolvimento das cidades. Esses empreendimentos fornecem Pontos de Pesquisa que desbloqueiam novas locomotivas e tecnologias.

Vale a pena?

Railway Empire configura-se como um “management game” competente que exibe um pouco do processo de desenvolvimento dos Estados Unidos da América. Com uma jogabilidade acessível e modos de jogo divertidos, o game deve agradar aos adeptos de estratégia.

 

Comments

comments