Leitura Dinâmica: O Monstro

leitdinaO Biel voltou do FIQ com a mala tão cheia de HQs e graphics que quase não couberam as roupas. E entre tantas coisas que vieram de BH, ainda deu pra trazer uns presentinhos pra mim e um desses foi o livro O Monstro, do Fabio Coala, que veio acompanhado do Monstrinho*. E agora que terminei de ler, resolvi dividir com vocês o que achei.

Ele me deu o livro em uma manhã, acompanhado de um: “Não leia durante a aula, o Fábio Coala disse que é triste e, te conhecendo, você vai chorar!“. Eu tentei seguir essa instrução, mas já estava tão curiosa pelo resultado que não aguentei e comecei a ler.

O livro conta mais de uma história do Monstro e entre páginas coloridas e P&B, vão se desenhando as características tão marcantes desse personagem que é sucesso absoluto no Mentirinhas. E concordo com o Fábio, é importante avisar que todos os exemplares do livro vem acompanhados de ninjas cortadores de cebola, então prepare as lágrimas.

Sendo bem sincera, eu sou uma pessoa que chora fácil e comecei a me emocionar logo nas primeiras páginas, com os agradecimentos e o prefácio do Vitor Cafaggi. E o mais legal é que o livro não é triste, apesar de ser emocionante. Existem sim momentos de dureza que te fazem chorar e se perguntar por que o mundo é assim, mas o protagonista está lá para transformar esses momentos em experiência de vida e, mesmo com as lágrimas, encerrei a leitura com um sentimento feliz.

monstro_escuridao2

Além do roteiro incrível, é possível perceber que esse livro foi feito com muito amor, como o próprio autor relata em uma das páginas. Além disso, existe uma atenção excepcional em cada detalhe, dentre os quais os meus favoritos são os “visuais” do Monstro. A interpretação de que ele é diferente para cada um de nós funcionou muito bem e enriqueceu a narrativa. E, para os mais curiosos, o Coala ainda nos presenteia com o relato de como surgiu a personagem e com uma versão em HQ do fato verídico que o inspirou a cria-lo.

E fora as tramas principais muito boas, o livro carrega extras, como em uma das histórias que tem uma “ponta” da Segunda-Feira, aquela salsinha cinzenta que já gosta de chamar a atenção e estragar nosso humor (se você não sabe quem ela é, leia mais o Mentirinhas). No fim do livro, há um bônus que você não pode deixar de conferir, além de tirinhas preferidas do site e versões do Monstro feitas por outros desenhistas. Outro ponto muito positivo é que todos que ajudaram na realização dessa obra, através do Catarse, foram lembrados e homenageados nas páginas finais, o que eu considero um gesto muito bonito de gratidão.

Enfim, livro top ao extremo, produção muito boa e recheada de amor. Se você ainda não tem é porque tá vacilando. Recomendo muito!

Nota: nota5

*O Monstrinho citado é uma pelúcia que é a mais delícia de todas e que agora tem lugar guardado na minha cama (isso quando Luna Lovegood, minha gata, não resolve roubar ele de mim).

monstrinho luna

Comments

comments